sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Primeiramente: fora Temer já!

É possível que haja um 'Fora Temer' sem que necessariamente haja um 'Volta Dilma'. No caso de uma eventual queda de Temer, há mais de um cenário possível. Algumas possibilidades. Umas boas, como a volta de Dilma (que depende de uma decisão do STF) ou a convocação de eleições diretas. Outras ruins, como seria o caso de eleições indiretas e uma volta, sem voto popular, do derrotado PSDB à presidência da República. No entanto, nem a hipótese boa ou a ruim serão possíveis sem um 'Fora Temer' prévio. Trata-se de uma condição lógica. Logo, se quisermos ver concretizada a hipótese de um 'Volta Dilma' ou de eleições diretas, é preciso necessariamente que haja um 'Fora Temer', mesmo que isso implique risco de consolidação do golpe tucano. O segredo será a celeridade. Para que haja uma possibilidade de 'Diretas Já', Temer terá de cair antes de 2016 acabar. A queda é pra já. Uma missão quase impossível. Mas vale a tentativa. Viver é perigoso, já dizia Guimarães Rosa. Se quisermos que nossa democracia tenha direito a alguma chance de se restabelecer antes de 2018, será preciso arriscar. Não há mais tempo a perder. Nem outro caminho a seguir. Primeiramente: FORA TEMER JÁ!