quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Liberdades incondicionais em todas as instâncias

Foto Divulgação
O julgamento do STF no sentido de permitir prisão após condenação em segunda instância não "é decisivo para conter a impunidade", como quer dar a entender o editorial de O Globo. A decisão impactará apenas, e tão somente, os condenados de sempre: os desfavorecidos e subalternos em geral. Já os criminosos pertencentes à tropa da elite do mundo do crime, oriundos das grandes corporações, dos partidos políticos pró-negócios, dos altos escalões dos Três Poderes da República, da Administração pública, do TCU, do MPF e da PF, assim como os barões da grande mídia e os senhores do capital financeiro, apenas para citar os exemplos mais notórios, todos podem seguir com suas contas na Suíça, praticando confortavelmente uma imensa variedade de tipos penais que não serão minimamente perturbados. O andar de cima da pirâmide socioeconômica poderá seguir praticando seus habituais crimes contra o patrimônio público e privado. Seguir com seus Ilícitos ambientais. Com o tráfico de drogas e armas. As fraudes tributárias, trabalhistas e previdenciárias. Sonegações e evasões fiscais. Corrupções ativas e passivas. Manipulação dos mercados de capitais. Maquiagens das demonstrações contábeis. Especulações cambiais abusivas. Homicídios, agressões físicas e morais. Podem continuar a dirigir embriagados, cometer estupros, incitar a tortura, fazer apologia ao racismo e à homofobia, portar armas ilegais. E assim indefinidamente. Os poderosos de sempre aplaudirão a decisão do STF entusiasticamente. Porque sabem que podem dormir em paz. E todos sabemos que continuarão a desfrutar impunemente de suas irrestritas liberdades incondicionais. Em todas as instâncias.