quinta-feira, 19 de maio de 2016

A cultura só respira em tempos de democracia

Meninas jongueiras do grupo Afro Jongo Renascer
Foto Isabela Kassow / Mapa de Cultura
Os movimentos que pedem a volta do Ministério da Cultura são legítimos e merecem todo o apoio. Mas ainda que o MinC não fosse extinto, esse governo interino, que será golpista até o fim da eternidade, sufocaria todas as políticas culturais relevantes. Certamente adotaria o critério da eficiência mercadológica para nortear suas políticas anticulturais. De todo modo, as iniciativas de ocupação pela cultura devem continuar. A luta pela cultura é um compromisso inadiável de cidadania. Porém, é preciso reivindicar, concomitantemente, e com todas as forças, a volta da democracia. E o fim do Estado de exceção a que todos nós fomos submetidos. Da noite para o dia. Mesmo que o governo Temer ceda às pressões, e considere a reabertura do MinC, ainda assim a cultura estaria seriamente ameaçada. Seria apenas mais um factoide sem nenhum efeito prático, assim como foi o afastamento de Eduardo Cunha. De nada adianta uma volta do MinC em um ambiente institucional antidemocrático, opressivo e avesso à cultura. Um MinC sem democracia seria inócuo. A cultura só respira em tempos de democracia. Somente com a democracia restabelecida é que a cultura será novamente valorizada e fortalecida. E o MinC, verdadeiramente, renascerá.