sábado, 23 de abril de 2016

A megalomania de Michel Temer

De Michel Temer, o homem que pensa ser o Brasil:  “Fui provocado para aquelas entrevistas, achei que deveria dizer alguma coisa à imprensa internacional, já que houve manifestações [de Dilma] em relação à imprensa internacional, especialmente pretendendo desqualificar a minha posição. Aí não é a coisa do vice-presidente, é uma coisa do Brasil, acho que o Brasil não merece desqualificação por meio de eventuais agressões à vice-presidência.”

Primeiro, Temer se faz de vítima, como se ele mesmo não fosse uma das principais causas do caos político instalado no Brasil. Depois afirma que houve manifestações da presidente Dilma Rousseff (contra quem ele conspira diariamente) pretendendo desqualificá-lo.

Em seguida afirma que o Brasil não merece desqualificação. E se utiliza da metonímia para afirmar que desqualificar a vice-presidência é desqualificar o Brasil. O discurso de Temer, portanto, equipara a vice-presidência ao Brasil. E se Temer é o vice-presidente, de acordo com a lógica de seu discurso, ele é o Brasil.

Além de dissimulado, conspirador, traiçoeiro, falso, covarde, ilegítimo e golpista, nosso vice-presidente é megalomaníaco. Um sujeito que segundo pesquisas recentes não obteria mais do que 2% das intenções de voto. Uma expressividade equivalente às margens de erro das pesquisas. Um curioso caso de fracasso pessoal que subiu à cabeça.