segunda-feira, 18 de abril de 2016

O sorriso amarelo do golpe é multifacetado

Stringer/Brazil
Há muito mais golpistas entre eleitores e eleitos do que sonha a nossa vã democracia. Embora os deputados federais tenham sido os protagonistas do show de horror durante a votação do pedido de impeachment, não esqueçamos de que uma grande parte da sociedade civil os apoiou, incluindo toda a grande mídia, muitas celebridades, intelectuais de visibilidade, ex-presidente sociólogo, ex-guerrilheiro ambientalista, o vice-presidente em exercício, críticos musicais especializados em contas públicas, cineastas aposentados, filósofos de praça de alimentação, humoristas da moda, chargistas veteranos, cientistas sociais best-sellers, socialites descoladas, politicólogos imortais, comentaristas blasés, roqueiros famosos, reis dos musicais, radialistas, juristas renomados, economistas do mercado e da academia, jornalistas formadores de opinião, a OAB, a Fiesp, entidades patronais, moralistas de esquerda, imoralistas de direita, falsos moralistas de todas as vertentes e por aí vai. Portanto, se o ato em si foi de autoria dos deputados, o projeto golpista deve ser debitado na conta conjunta de uma parte significativa da sociedade civil. Para os que querem tirar o corpo fora e se desvincular do dia mais triste da nossa história política recenteagora já é tarde demais. O golpe já faz parte de suas biografias.