segunda-feira, 28 de março de 2016

Algumas consequências da 'Ponte para o futuro' do PMDB/PSDB

Lixão de Aruruama/RJ - Foto Isabela Kassow
Se o programa econômico do PMDB de Cunha e Temer, apoiado pelo PSDB de Serra, Aécio, FHC, Alckmin, Armínio & Cia., denominado 'Uma ponte para o futuro' for implantado, em caso de impeachment da presidente Dilma, seguirão, muito provavelmente, as seguintes consequências práticas:

- Os ricos ficarão ainda mais ricos. E mais distanciados do restante da sociedade, tanto em proximidade física quanto em valores dos seus respectivos patrimônios líquidos.

- A classe média, cuja maioria de seus integrantes vive de auto-engano, ainda que não seja beneficiada em nada com o que vem por aí, a partir do momento em que as notícias veiculadas pela grande imprensa pintarem um admirável mundo livre, enfiando goela abaixo da opinião pública (supostamente escolarizada) o discurso da prosperidade, da eficiência, da eficácia, da honestidade, da moralidade, da meritocracia, do "agora sim" e da "criação infinita de valor", ela terá, com sua fraqueza e desatenção, a percepção de que tudo está divino e maravilhoso. Assim como tolerou a hiperinflação e a estagnação da década de 1980, sem se revoltar, sem bater panelas e sem se incomodar com a corrupção e a imoralidade pública reinantes à época, a classe média ficará domesticada e obediente, reproduzindo os discursos dos dominantes, sem se dar conta de quão mais precarizada se tornará. Desde que a distância entre a classe média e as classes mais desfavorecidas aumente, tudo pode ser tolerado pelos setores médios da população. E o auto-engano vale a pena.

- Para a classe trabalhadora, e os mais desfavorecidos, o impacto será sentido na carne e nos ossos. O desmantelamento das redes de proteção social, a precarização do mercado de trabalho e a falta de políticas de redistribuição de renda, além do abandono dos investimentos em saúde, assistência social e educação públicas, para sustentar o ajuste fiscal ostensivo que virá e, assim, garantir a rentabilidade dos investimentos financeiros, tudo isso implicará o aumento da miséria, da pobreza extrema, e da ruína de muitas famílias, que serão mais uma vez varridas para debaixo do tapete da exclusão.


Ao fim e ao cabo, a 'Ponte para o futuro' reconduzirá o país ao seu eterno passado.