quarta-feira, 25 de novembro de 2015

A insustentável aspereza do mundo

Crédito da imagem: NASA
Esta tristeza é minha? Ou é a tristeza do mundo?
Sou eu que ando a me desfazer pelo mundo? 
Ou o mundo é que se desfaz enquanto me desfaço?
A irrelevância diante do mundo é só minha? 
Ou o mundo que é irrelevante, tão só em tantos mundos?
É o mundo assim árido, ou sou eu que deserto?
Sou eu que vagabundo? Ou o mundo que vaga mudo?
A brutalidade é minha, ou é a aspereza do mundo?
Será minha dor assim grande? Ou o mundo que é imenso?
Sustentarei ainda o meu ser nesse mundo insustentável?
Ou somos todos um mundo, que já não suporta mais ser?