sábado, 16 de maio de 2015

Manual de redação e estilo da "grande imprensa" brasileira

M. C. Escher - Drawing Hands, 1948
Selecione as palavras a seguir e combine-as, entre si, quantas vezes julgar necessário: vergonhoso, clamoroso, indecoroso, escandaloso, mentiroso, atraso, retrógrado, bandalheira, roubalheira, marmelada, urnas, estatizante, privatização, corrupção, inflação, recessão, gestão, desenfreado, podridão, ineficiente, incompetência, transparência, cidadão, dignidade, mínimo, máximo, esmagado, eletrônicas, maioria, invariavelmente, insuficiente, negativo, custoso, indiscutível, naturalmente, ética, econômico, processo, retrocesso, volatilidade, revoltante, oneroso, custeio, indubitavelmente, real, dólar, taxa, câmbio, fuga, capitais, desconfiança, mercados, criativo, inescrupuloso, imoral, propina, jogatina, setor, inimaginável, impunemente, descaso, colapso, galopante, escorchante, pátria, acachapante, estratosféricos, desemprego, imoralidade, inviável, desonesto, crônico, agudo, doentio, incurável, celeridade, urgente, moroso, certamente, incerteza, ajuste, irresponsabilidade, impunidade, balanço, vagabundo, moribundo, crescente, crescimento, encolhimento, falido, dívida, financeiro, disparate, fabricado, decrescente, evidente, inegável, insustentável, inadmissível, tragédia, desfaçatez, propina, fiscal, imposto, juros, crise, alturas, órbita, farsa, falta, farra, país, pouca, nenhuma, muita, sempre, nunca, rigor, desde, desgraça, precificação, contabilidade, educadora, taxa, desequilíbrio, prejuízo, rombo, cofres, banqueiro, criminoso, populista, demagógico, pedalada, voluntarista, atrasado, outrossim, deveras, relevante, inoportuno, exponencial, sistêmico, mentira, traição, oculto, insolúvel, refém, desdém, ninguém, aquém. 

Os verbos serão sempre variantes dos adjetivos e substantivos relacionados acima. O uso do plural pode ser conveniente em certos casos. Repetições são desejáveis. Acrescente uma foto. Uma imagem pode valer mais do que mil palavras. Evite dados estatísticos, tabelas e gráficos. Séries temporais, indicadores históricos, índices acumulados poderão contradizer suas ideias e arruinar seus argumentos. Finalmente, procure um argumento de autoridade oriundo de algum formador de opinião consagrado nos meios de comunicação ou na academia e acrescente ao seu texto. Utilize aspas e cite a fonte. Isso demonstrará honestidade intelectual de sua parte. Abuse dos pontos de exclamação e dos adjetivos.

Para publicações na imprensa, o texto pode ser extenso, redundante e enfadonho. Quem lê textos impressos já está habituado. Se for para publicações na internet, seja conciso e breve. Ninguém lê textos longos na rede. Mas se não houver como cortar nada, escolha a melhor frase, a mais contundente, e coloque-a logo na abertura do texto. Garantirá elogios e compartilhamentos, ainda que não seja lido na íntegra. Publique reiteradamente. Para não ficar repetitivo, utilize ferramentas matemáticas ou computacionais para fazer combinações e arranjos. Isso garantirá maior variedade dos conteúdos. 

Com esse repertório básico é possível escrever qualquer texto passível de ser publicado nos jornais, revistas e nas redes sociais. Os sujeitos das orações podem ser escolhidos livremente, desde que pertençam a um determinado partido político ou sejam dos quadros do governo federal democraticamente eleito (ou da administração pública a ele vinculada). É sucesso garantido.