sábado, 16 de maio de 2015

Longe dos olhos

Joaquim Affonso Mac Dowell Leite de Castro (à esq.), presidente da Light,
vibra quando o ministro do Planejamento, José Serra, bate o martelo
no leilão de privatização da Light, na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro
22.05.1996/Luciana Whitaker/Folha Imagem
A suposta superioridade de um Brasil de ontem, puro, limpo e correto, em relação a um Brasil de hoje, corrupto, desorganizado e caótico, pode ser muito bem traduzida numa frase do senso comum, conjugada no pretérito imperfeito: o que os olhos não viam o coração não sentia.