segunda-feira, 18 de maio de 2015

Assimetrias urbanas

Morro do Turano - Foto Isabela Kassow


No Rio de Janeiro, as relações sociais continuam assimétricas. Enquanto o rico frequenta a favela para se divertir e consumir, o pobre não frequenta os bairros de luxo, a não ser para servir aos ricos. Em ambas as situação, a riqueza serve-se da pobreza, à exaustão. E isso não perturba ninguém. É tão natural quanto o vento ventar. Por outro lado, a situação inversa causaria incômodo e indignação. Desconforto. Escândalo.